Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro MP 936: entenda a nova l...

MP 936: entenda a nova lei trabalhista que permite corte de salário e de jornada

Agora lei sancionada, a MP trabalhista cria o Benefício Emergencial e prevê que empresas suspendam salários e contratos temporariamente. Entenda como funciona.

A MP 936/2020, nova medida provisória trabalhista que prevê a possibilidade de redução dos salários de trabalhadores durante a pandemia do novo coronavírus, está em vigor desde o dia 1º de abril – e agora virou lei.

Em 16 de junho, o Senado aprovou a Medida Provisória. Em 6 de julho, o presidente sancionou a nova lei (nº 14.020), que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. Alguns pontos da lei foram vetados e devem passar novamente pela validação do Congresso.

Já no dia 13 de julho, o governo publicou o Decreto 10.422, que prorroga a possibilidade de suspensão temporária de contratos de trabalho por mais 60 dias ou de redução de jornadas e salários por mais 30.

No dia 21 de agosto, o Ministro da Economia anunciou que essa medida vai ser prorrogada por mais dois meses, totalizando 180 dias de suspensão de contrato e redução de jornada. Mas isso ainda não foi formalizado.

Essa foi a segunda medida provisória publicada para ajudar as empresas durante a crise do Coronavírus. A primeira foi a MP 927, que flexibiliza pontos sobre o trabalho remoto, antecipação de férias individuais, férias coletivas e banco de horas.

O que é a MP 936?

Em linhas gerais, a MP 936 (sancionada na Lei 14.020) permite que as empresas reduzam os salários e jornadas dos funcionários ou suspendam seus contratos temporariamente. Em troca, garante estabilidade e cria o BEm, benefício emergencial que pode chegar a R$ 1.813,03.

A MP 936  vale para todos os trabalhadores com carteira assinada, inclusive domésticos e trabalhadores intermitentes, que trabalham por hora e para diferentes empregadores.

Qual o objetivo da MP 936?

A MP 936 tem como objetivo flexibilizar as atuais leis trabalhistas para que as empresas, em vez de demitir seus funcionários por uma questão financeira durante a pandemia, cortem seus custos ao reduzirem salários, por exemplo, entre outras medidas.

Corte de salário e redução de jornada

O principal ponto da MP é a possibilidade de os empregadores reduzirem o salário dos trabalhadores por determinado período.

Foram definidas três faixas de corte dos salários: 25%, 50% e 70%. A redução será aplicada proporcionalmente também na jornada de trabalho semanal do funcionário.

Por exemplo: uma pessoa cujo salário é de R$ 2.000 e trabalha 40 horas semanais, se firmar um acordo de redução de 50%, passará a receber R$ 1 mil e terá jornada de 20 horas.

As negociações de corte de salário podem ou não envolver o sindicato responsável, a depender da faixa salarial e da proposta de corte:

  • Corte de 25%: poderá ser feito através de acordo individual entre empregador e funcionário, independentemente da faixa salarial do empregado;
  • Corte de 50% ou 70%: só poderá ser feito um acordo individual se o empregado tiver salário inferior a R$ 3.135 ou mais de R$ 12.202,12.
  • Trabalhadores que recebem entre R$ 3.136 e R$ 12.202,11 só poderão ter contrato modificado (incluindo redução de salário) se houver acordo ou convenção coletiva; nesse caso, é necessário que o sindicato participe.

Vale dizer que o corte pode ser no máximo de 120 dias – depois disso, é necessário voltar aos termos estabelecidos em contrato. Antes da publicação do Decreto 10.422, o período máximo era de 90 dia.

Lembrando que, no dia 21 de agosto, o Ministro da Economia anunciou que essa medida vai ser prorrogada por mais dois meses, totalizando 180 dias de suspensão de contrato e redução de jornada. Mas isso ainda não foi formalizado.

Trabalhadores que tiverem corte em seus salários terão direito à estabilidade de emprego proporcional ao período do corte.

Em outras palavras: um trabalhador que teve o salário reduzido por 90 dias, por exemplo, não poderá ser demitido no período e nos próximos 90 dias.

Compensação com Benefício Emergencial (BEm)

Quem tiver seu salário reduzido poderá ter direito a receber o benefício emergencial, também chamado de BEm. Pago pelo governo, o BEm é calculado com base no seu seguro-desemprego.

Quem receber esse auxílio não perde direito ao valor integral do seguro-desemprego caso seja demitido após o período de estabilidade.

O benefício emergencial pode variar de R$ 261,25 até R$ 1.813,03. O valor é calculado a partir do seguro-desemprego que o trabalhador teria direito a receber, com a média dos últimos três salários.

Os cálculos para quem tiver o salário e jornada reduzidos são os seguintes:

  • Redução de 25%: trabalhador recebe 75% do salário e 25% da parcela do benefício emergencial;
  • Redução de 50%: trabalhador recebe 50% do salário e 50% da parcela do benefício emergencial;
  • Redução de 70: trabalhador recebe 30% do salário e 70% da parcela do benefício emergencial.

Suspensão de contrato na MP 936

Inicialmente, a MP 936 permitia que um contrato de trabalho pudesse ser suspenso por até 60 dias. Com o Decreto 10.422, entretanto, esse prazo passou para 120 dias.

Neste caso, o funcionário deixa de receber seu salário. Quem for suspenso também terá estabilidade de emprego proporcional ao tempo de suspensão.

Em outras palavras: se ficou suspenso por dois meses, não poderá ser demitido por dois meses ao retornar. 

No caso da suspensão de contrato, o empregado também recebe o seguro-desemprego, mas seguindo as seguintes regras:

  • Se a empresa empregadora for do Simples Nacional, com receita bruta de até R$ 4,8 milhões: o governo vai pagar aos empregados 100% do benefício calculado, como se ele tivesse sido demitido;
  • Se a empresa empregadora estiver sob o regime de lucro real e lucro presumido, com receita bruta acima de R$ 4,8 milhões: a empresa terá que arcar com 30% do salário do funcionário e o governo pagará 70% do seguro-desemprego.

Mesmo com contrato suspenso e sem receber salário, o funcionário ainda terá direito aos benefícios da empresa, como plano de saúde.

Quer saber mais sobre outras medidas econômicas anunciadas durante a pandemia da Covid-19?

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.23

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post