Taxa Selic sobe para 11,75%: veja o que muda para você

Entenda por que o Banco Central elevou a taxa para o maior nível em cinco anos e o que muda agora.

A taxa básica de juros da economia subiu de novo – desta vez para 11,75% ao ano. Esta é a nona vez seguida que o Copom (Comitê de Política Monetária), do Banco Central, aumenta a Selic. Há um ano, ela era 2%. Agora, o país tem o maior juros em cinco anos.

Por causa da inflação. O Banco Central é o responsável por manter a inflação do país nem muito alta e nem muito baixa, e ele usa a taxa Selic para fazer isso.

Por que a Selic subiu de novo?

Com juros maiores, o dinheiro e os preços ficam mais caros, e as pessoas e empresas ficam mais receosas de gastar. Ou seja, quando o BC aumenta os juros a economia esfria.

Uma Selic maior eleva as outras taxas, como a do seu cartão de crédito, financiamento, e daquele boleto parcelado com juros. Resumindo, fica mais caro consumir.

Como a Selic afeta o meu dinheiro?

Juros maiores também afetam as chances de encontrar um emprego. É que fica mais caro para as empresas investirem e pagarem as contas. Assim, sobra menos para contratar profissionais.

Empresas também são afetadas

Quem investe em renda fixa com rentabilidade amarrada à taxa Selic, como alguns CDBs e o Tesouro Selic, está ganhando mais.

Tem quem ganhe com isso?

Como a inflação segue alta, o BC quer subir mais os juros. A projeção é que 2022 termine com a Selic em 12,75%, mas esse número pode ser ainda maior, dependendo do andamento do conflito no leste europeu.

O que acontece agora?

Quais investimentos são mais afetados pela alta da Selic?