Inflação sobe 1,62% em março: veja o que ficou mais caro

Saiba quais setores e produtos ficaram mais caros e entenda como a inflação afeta o seu dinheiro.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), índice oficial da inflação do país, encerrou março com uma alta de 1,62%, a maior para o mês desde 1994. Nos últimos 12 meses, os preços subiram 11,30%, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A inflação maior em março já era esperada por causa da crise entre Rússia e Ucrânia, que tem afetado os preços do petróleo, trigo e milho no mercado internacional. Tudo o que é feito com esses itens fica mais caro também.

Os produtos e serviços dos setores de Transportes, Alimentos e Vestuário foram os que mais influenciaram o aumento de março. Dos 9 setores analisados pelo IBGE, 8 apresentaram alta no mês.

Que setores subiram mais?

Veja, ao lado, os 10 produtos que ficaram mais caros em março – 9 deles são do grupo Alimentação.

E o que ficou 
mais caro?

Melão: 35,18%
Pimentão: 33,12%
Cenoura: 31,47%
Tomate: 27,22%
Repolho: 26,72%
Mamão: 19,51%
Óleo diesel: 13,65%
Açaí: 13,60%
Manga: 13%
Melancia: 12,29%

Sim! Veja os 5 itens que ficaram mais baratos em março, segundo o IBGE: Banana-maçã: -12.35%
Limão: -12,12%
Carne de carneiro: – 8,84%
Pera: – 7,56%
Maracujá: – 7,38%

Alguma coisa ficou mais barata?

Uma inflação maior corrói o valor do dinheiro. Ou seja, o que você comprava ontem com R$ 100 já não consegue comprar hoje. Além disso, a inflação afeta o custo de muitos produtos financeiros que você conhece bem, como seu cartão de crédito.

Como isso afeta o seu bolso?

Tudo fica mais caro, das compras no mercado ao seu financiamento imobiliário e juros do seu cartão. Nesse cenário, o salário não rende.

Resumindo…

A inflação 
vai baixar?

Apesar do aumento da taxa Selic, a inflação resiste e deve subir mais. As projeções dos economistas entrevistados pelo Banco Central é de que ela encerre 2022 em 6,86% – bem acima da meta de 3,5% para o ano.