Inflação cai 0,36% em agosto: veja o que ficou mais barato e o que continuou subindo 

Inflação cai 0,36% em agosto: veja o que ficou mais barato e o que continuou subindo 

País tem deflação pelo 2º mês seguido, mas nem tudo teve queda no preço.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), índice oficial da inflação, caiu 0,36% em agosto – o 2º mês seguido de deflação, que é uma inflação negativa. Em 2022, até agora, os produtos ficaram 4,39% mais caros. Nos últimos 12 meses, os preços subiram 8,73%, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Inflação é o aumento do preço de bens e serviços. Ela é parte da economia, mas preocupa quando sobe além do esperado. Quando a inflação fica negativa, ela ganha outro nome: deflação.

Inflação negativa? O que isso significa?

É quando há uma queda nos preços, como aconteceu em agosto. Ela pode acontecer por um motivo pontual ou ser constante – o que é tão preocupante quanto um aumento nos preços.

O que é deflação?

Não necessariamente. O IPCA é uma média: ou seja, existem produtos que tiveram queda nos preços, mas outros ainda subiram.
Dos 9 setores analisados pelo IBGE, apenas Transportes e Comunicação tiveram queda no mês.

Então está tudo mais barato agora?

Veja, ao lado, os cinco produtos que ficaram mais
baratos e mais caros em agosto, segundo o IBGE.

O que ficou mais barato e mais caro em agosto?

Ficou mais barato: 
Pepino: 21,14%
Morango: 20,08%
Tomate: 12,41%
Passagem área: 12,31%
Gasolina: 12,10%

Ficou mais caro: 
Limão: 44,43%
Tangerina: 22,38%
Inhame: 11,19%
Melão: 8,65%
Batata-doce: 8,43%