4 ideias para mudar de assunto na ceia de Natal

24 de dezembro de 2020

“Namoradinhos não tem, mas e o Pix, hein?”

Se você vai passar algumas horas da sua noite com parentes, a oportunidade é boa para mostrar seus conhecimentos econômicos desse ano – e fugir daquelas famosas perguntas pessoais de todo Natal.

Veja 4 temas que rendem conversas (pessoais ou virtuais) mais interessantes do que especulações sobre a sua vida amorosa.

1. O Pix

O novo meio de pagamentos instantâneos foi um dos principais acontecimentos econômicos de 2020. Ideal para você mostrar que domina não só finanças, mas também tecnologia.

Pequena cola para falar do Pix

– Ele é como um TED ou DOC, mas permite fazer pagamentos/transferências em tempo real e funciona todos os dias e horários.– Ele é gratuito para pessoas físicas na maioria dos casos.– Ele tem chaves, que são apelidos para que você não precise passar todos os seus dados bancários.

Dica extra

Você pode mostrar como o Pix funciona em pleno feriado, fazendo uma transferência que cai na hora. Lembre-se: o Pix funciona a qualquer dia da semana, inclusive no Natal. 

2. A Selic

A cada 45 dias, os jornais noticiam se a meta da taxa Selic caiu, subiu, ou permaneceu igual. Em 2020, ela foi assunto ao chegar em seu valor mais baixo na história.

Pequena cola para falar da Selic

– Ela é a taxa de juros básica da economia. O que acontece com ela afeta diversas outras taxas, como as de empréstimo e de rendimento de algumas aplicações.– Ela é usada pelo Banco Central para controlar a inflação: quando o BC baixa a meta, a tendência é que a inflação suba.

Dica extra

Você pode contar que a Selic afeta o rendimento da poupança e, com ela a 2%, o dinheiro parado lá vai render menos do que a inflação. 

3. A nota de R$200

A nota do lobo-guará entrou em circulação em setembro. A tiragem prometida pelo Banco Central foi de 450 milhões de cédulas – ou seja, R$90 bilhões em circulação.

Pequena cola para falar da nota de R$200

– Segundo o BC, ela foi criada porque as pessoas começaram a guardar mais dinheiro físico durante a pandemia. Foi uma forma de suprir a demanda sem gastar tanto em produção.– Ela tem vários elementos de segurança que previnem fraudes.

4. A alta dos alimentos

Do arroz à carne, os alimentos tiveram um aumento expressivo de preço em 2020, bem acima da inflação geral.

Pequena cola para falar dos alimentos

– O grupo dos alimentos teve uma alta de quase 16% nos últimos 12 meses. O saco de 5kg de arroz chegou a custar R$40.– O dólar alto foi um dos principais motivos, já que estimulou as exportações.– Outros fatores foram o auxílio emergencial, a safra ruim e a demanda externa.