6 perrengues que você não passa mais depois do Pix

20 de maio de 2021

O meio de pagamentos instantâneos completou seis meses e já é o método de transferências mais usado pelos brasileiros.

Lançado no dia 16 de novembro de 2020, o Pix trouxe mais rapidez, disponibilidade e facilidade para as transações financeiras – e livrou milhões de brasileiros de perrengues bem comuns na era pré-Pix.

1. Pagar tarifas absurdas para movimentar o próprio dinheiro

Essa era a triste realidade de clientes de alguns bancos – que cobram tarifas altíssimas por TED e DOC.

Com a chegada do Pix, entretanto, isso mudou. Pessoas físicas não pagam nada para transferir ou pagar com Pix – e, nos demais casos, os custos são menores do que de outros meios.

2. Não poder transferir para outros bancos aos finais de semana – ou fora do horário comercial

Quem já tentou fazer um TED ou DOC nestes períodos sabe o que é isso.

Com o Pix, entretanto, os usuários podem enviar e receber transferências e pagamentos em qualquer dia da semana – incluindo feriados –, 24 horas por dia.

3. Precisar de várias informações pessoais para realizar uma transferência

Número da conta e da agência, nome, CPF, número do banco… Ou seja: nada prático. 

Já com o Pix, só é preciso uma chave para fazer uma transferência – que pode ser o CPF ou o CNPJ, o telefone celular, o email ou uma chave aleatória.

Dá para fazer uma transferência Pix usando os dados da conta? Dá, mas usando a chave Pix é bem mais fácil e rápido.

4. Perder vendas porque o cliente não tinha dinheiro em espécie

Se você tem um negócio ou trabalha por conta própria, provavelmente conhece essa dor.

Com o Pix, empreendedores ganharam mais uma opção para receber de seus clientes em tempo real, em qualquer dia e horário – sem depender de dinheiro em espécie nem de maquininha.

5. Ter de esperar até 3 dias para um boleto ser compensado

Com isso, empresas têm de esperar mais para receber pagamentos e os clientes podem ter de esperar mais para as compras serem realizadas.

A boa notícia é que dá para substituir o boleto por um Pix. Afinal, é necessário ter todo o dinheiro disponível tanto para um quanto para o outro, a diferença é que o Pix é muito mais rápido. 

6. Precisar de dinheiro em espécie e não ter caixa eletrônico perto

Ok, este ainda é um perrengue na vida dos brasileiros, mas deve deixar de ser com a implementação do Pix Saque e do Pix Troco – previstos para agosto de 2021.

Segundo a proposta do Banco Central, tanto o Pix Saque quanto o Pix Troco vão permitir que as pessoas saquem dinheiro em espécie por meio do Pix em estabelecimentos cadastrados para isso, como lojas.

Veja mais detalhes sobre o Pix Saque e o Pix Troco

👆🏼