Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Selic nem cai, nem sobe ...

Selic nem cai, nem sobe – fica igual. Alguma coisa muda?

Depois de nove cortes consecutivos na taxa de juros básica, Copom decide mantê-la 2%. Entenda o que está por trás da decisão.

O Copom (Comitê de Políticas Monetárias) do Banco Central decidiu, nesta quarta-feira, 16 de setembro, manter a taxa Selic em 2% depois de uma série de cortes consecutivos que teve início em agosto de 2019 – nesse período, a Selic caiu de 6% para os atuais 2%, totalizando nove cortes.

Essa decisão deixa duas questões: por que estabilizar a Selic depois de tantas quedas? E, na prática, alguma coisa muda para os brasileiros?

Abaixo, veja as respostas para essas perguntas.

Por que a Selic deixou de cair?

É importante dizer que a manutenção da Selic em 2% não significa que ela nunca voltará a cair – em algum momento, isso pode acontecer, embora as expectativas do mercado sejam de que isso não aconteça ainda em 2020.

Na decisão, o Copom cita que “entende que a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que, devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno. Consequentemente, eventuais ajustes futuros no atual grau de estímulo ocorreriam com gradualismo adicional e dependerão da percepção sobre a trajetória fiscal, assim como de novas informações que alterem a atual avaliação do Copom sobre a inflação prospectiva.”

Existem motivos por trás da decisão de não fazer mais um corte na Selic, com o intuito de movimentar ainda mais a economia:

1. A projeção para a inflação

Para o final do ano, espera-se que a inflação feche em 1,8%, um número já muito próximo dos atuais 2% da Selic. É importante para a economia que a taxa de juros básica (a Selic) seja maior que a inflação, pelo menos cobrindo-a – o crescimento econômico é promovido quando a taxa básica de juros é maior que a inflação.

2. O aumento de preços da cesta básica

Quando o governo faz um corte na Selic, é com o intuito de movimentar a economia e estimular o consumo, normalmente levando a um aumento na inflação; com a tendência de alta nos preços de itens da cesta básica brasileira, em especial o do arroz, manter aa Selic é uma maneira de controlar a inflação.

3. “Recuperação parcial” da economia brasileira

Na última reunião do Copom, que aconteceu em 5 de agosto, o Comitê especificou em sua decisão de corte que haviam indícios de uma “recuperação parcial” da economia brasileira. Notícias recentes mostram que essa projeção está se concretizando: o conjunto de indicadores de atividade da economia teve uma alta de 1,1% em agosto, embora ainda seja menor do que o registrado antes da pandemia.

E vale dizer: o Fed, Banco Central dos Estados Unidos, também decidiu nesta quarta-feira, 16 de setembro, não alterar a sua taxa de juros básica. Hoje, ela está próxima de 0%.

O que muda com a Selic a 2%?

Na prática, qualquer mudança na Selic afeta as demais taxas de juros praticadas pelo mercado e pelas instituições financeiras – seja de operações de crédito ou de investimentos. Portanto, como não houve queda ou aumento da Selic, a tendência é que essas taxas fiquem iguais.

Também não deve haver nenhum impacto ou mudança na projeção de inflação, que normalmente é uma das motivações para o Copom abaixar ou diminuir a Selic.

O que é a Selic, mesmo?

A Selic é a taxa de juros básica da economia: ela serve de referência para todas as outras taxas – como os juros de um empréstimo ou o rendimento de uma aplicação.

Um exemplo prático: vários investimentos em renda fixa têm a remuneração atrelada ao CDI. O CDI, por sua vez, anda sempre muito próximo da Selic. Por isso, quando a Selic cai, o CDI também tende a diminuir, afetando diretamente os rendimentos de aplicações em renda fixa.

Vale lembrar: durante a reunião, o Copom estabelece a meta da Selic, não a taxa em si. O que o Banco Central faz é comprar ou vender títulos públicos para influenciar o mercado, aumentando ou diminuindo a demanda para mexer no preço e impactar os juros.

Veja todos os detalhes sobre a Selic.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.67

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post