Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Selic chega a 2% em novo...

Selic chega a 2% em novo corte. Por que, afinal, ela não para de cair?

Sim, a Selic caiu. Sim, de novo. Esse é o nono corte consecutivo - entenda como ele impacta a sua vida.

No dia 5 de agosto de 2020, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central comunicou uma nova queda na meta da Taxa Selic: 2%. É uma diminuição de 0,25 pontos percentuais em relação à meta anterior.

Falar que a Selic caiu já não é mais novidade: a mesma notícia é repetida a cada 45 dias, há aproximadamente um ano. Foi em julho de 2019 que a Selic, até então estável em 6,5%, recebeu a primeira do que seriam nove diminuições consecutivas.

Mas por que cortar tanto essa taxa? Qual é a intenção do Banco Central com isso? E como uma Selic mais baixa impacta a vida das pessoas no dia a dia?

O que é Selic mesmo?

A Selic é a taxa de juros básica da economia. Isso significa que ela serve de referência para todas as outras taxas – como os juros de um empréstimo ou o rendimento de uma aplicação.

Um exemplo prático: vários investimentos em renda fixa têm a remuneração atrelada ao CDI. O CDI, por sua vez, anda de mãos dadas com a Selic. Por isso, quando a Selic cai, o CDI também tende a diminuir, afetando diretamente os rendimentos de aplicações.

Vale lembrar: durante a reunião, o Copom estabelece a meta da Selic, não a taxa em si. O que o Banco Central faz é comprar ou vender títulos públicos para influenciar o mercado, aumentando ou diminuindo a demanda para mexer no preço e impactar os juros.

E por que a meta da Selic cai ou sobe?

A Selic é um dos instrumentos do Banco Central para controlar a inflação no país. Quando a Selic cai, a tendência é que a inflação aumente; quando a Selic sobe, a tendência é que a inflação diminua.

Ao se reunir, o Copom analisa uma série de fatores da economia e decide, com base neles, se a taxa vai cair, subir, ou permanecer igual.

Como assim? Por que mexer na inflação?

Uma Selic mais baixa pode diminuir os juros no geral e aumentar o acesso ao crédito. Com isso, as pessoas têm mais estímulo para consumir – girando a roda da economia mais rápido, aumentando a demanda e, consequentemente, aumentando a inflação.

Vale lembrar: inflação, por si só, não é boa nem ruim. O nível de inflação equilibrado com as expectativas do país é um dos fatores que ajudam a economia como um todo. Deflação, por exemplo, pode ser tão ruim quanto hiperinflação.

Por que a Selic vem caindo tanto?

A resposta simples é: para tentar aquecer a economia.

A meta da Selic passou 16 meses estável, fixada a 6,5%, até ser cortada para 6% em julho de 2019. Por vários meses, os comunicados do Copom falavam sobre a recuperação gradual da economia brasileira, que andava a passos lentos, como justificativa para as quedas.

Paralelamente, o mercado vinha em uma onda de otimismo: a B3, Bolsa de Valores brasileira, chegou ao seu recorde histórico e bateu quase 120 mil pontos em janeiro de 2020.

Em fevereiro de 2020, a Selic chegou ao patamar de 4,25% e a expectativa era que ela se estabilizasse novamente, a não ser que as circunstâncias mudassem drasticamente… E então veio o novo coronavírus.

A pandemia impactou a economia do Brasil e do mundo de forma intensa, provocando a perda de empregos e consequente diminuição do consumo – isso, por sua vez, desacelerou a economia. O Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre reflete essa situação, com uma queda de 1,5%.

A evolução da meta da Selic desde junho de 2019. Dados: Banco Central

Selic a 2%: o que disse o Banco Central?

Ao anunciar a queda da Selic para 2%, o Banco Central citou os efeitos da pandemia como o principal fator de decisão.

“A pandemia da Covid-19 continua provocando a maior retração econômica global desde a Grande Depressão. Nesse contexto, apesar de alguns sinais promissores de retomada da atividade nas principais economias e de alguma moderação na volatilidade dos ativos financeiros, o ambiente para as economias emergentes segue desafiador”, disse o comunicado.

Segundo o Copom, alguns indicadores “sugerem uma recuperação parcial” da atividade econômica brasileira, mas a incerteza segue alta e as medidas de inflação atual não são compatíveis com o cumprimento da meta.

Sobre o futuro da Selic, o Copom admitiu a possibilidade de mais ajustes, mas afirmou que a margem deve ser pequena.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.27

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post