Fala, Nubank

Muito além do cartão de crédito

“Quero estar preparado para a chegada do meu filho”

Três relatos sobre paternidade, o sonho de ser pai, e os valores Nubank na hora de atender clientes

Um almoço em família salvo pelo atendimento Nubank. Um casal que usa a NuConta para guardar dinheiro enquanto espera o processo de adoção. Um Xpeer que usa sua experiência como pai para criar vínculos (e dar dicas!) durante o atendimento.

No Dia dos Pais, reunimos três relatos que falam um pouco sobre paternidade, o sonho de ser pai, e também sobre os nossos valores na hora de atender clientes.

Os valores do atendimento Nubank

Conheça o Led, de 29 anos, de São Paulo, membro do time de Xpeers no Nubank há 2 anos:

“Fiquei em casa em tempo integral com meu filho durante alguns meses quando ele tinha pouco mais de um ano. Foi nosso momento de maior conexão – tanto que a primeira palavra dele foi “papai”. Mas a lembrança mais forte dessa época é a do seu primeiro passo sozinho, andando na minha direção. Não tinha mais ninguém em casa para fazer uma foto ou vídeo, mas não precisa: aquele pequeno momento do dia-a-dia ficou guardado na memória.

Ter filhos é ter uma rotina – escola, jantar, banho, cama. Dentro dessa rotina, eu tento estar o mais presente possível, mesmo que agora já não passe mais o dia todo com ele. No jantar, tento dar um bom exemplo comendo todo o brócolis para ele me imitar. Nem sempre funciona … Na hora de dormir, crio histórias e nomes de personagens, e meu filho morre de rir quando invento um nome engraçado. Às vezes, quando estou sem imaginação, começo a contar histórias dos quadrinhos ou de super heróis famosos: “era uma vez um menino chamado Peter Parker…”, e aí é a minha mulher quem cai na gargalhada!

Hoje, meu filho tem 5 anos, vai para a escola, e eu já trabalho no Nubank há quase dois anos. Nesse tempo, teve um atendimento que me marcou muito. Uma mãe ligou para entender como podia cancelar um serviço de assinatura de livros infantis, já que precisava cortar alguns gastos. Começamos a conversar sobre filhos e acabei compartilhando algumas atividades gratuitas que eu fazia com o meu – desenhar, criar os nossos próprios personagens com papel, ir a bibliotecas públicas. O filho dela tinha sete anos, estava começando a alfabetização, e foi uma troca muito boa de experiências. No final, ela decidiu que não queria cancelar o serviço de livros…

Já tinha atuado na área de marketing e também na parte de atendimento em outras empresas, mas a maior diferença do Nubank é a forma como a gente pode conduzir a conversa: podemos ser francos e temos espaço para realmente entender os problemas dos clientes e ajudar da melhor forma. Ir além do protocolo.”

Led e seu filho, na piscina de bolinhas do Nubank.

Almoço entre pai e filho

Conheça a história do Breno, 33 anos, de Recife, e cliente Nubank há 1 ano.

“A parte mais difícil de ser pai é educar uma criança. Saber a hora certa de dizer “não” ou “sim” é um desafio. Muitas vezes, a gente sabe que a vontade do filho é só um capricho; em outras, são essas pequenas vontades que acabam criando momentos inesquecíveis.

Meu filho tem 5 anos e adora frango à parmegiana. Nossa, ele é maluco mesmo por esse prato. Há alguns meses estávamos sozinhos em casa e, como eu sou um desastre na cozinha, decidi pedir de almoço a comida favorita dele por um aplicativo de entrega. Estava tentando fazer o cadastro do meu cartão virtual mas não conseguia acesso. Bateu aquele desespero… Criança com fome, já viu né? Liguei pedindo ajuda para o Nubank.

Nunca vou esquecer o nome da pessoa que me atendeu – Lola. Ela explicou que o meu problema com o cartão virtual era um pouco específico e demorado e só conseguiria resolver tudo na segunda-feira. Fiquei desesperado e acho que a Lola percebeu isso na minha voz, pediu alguns minutos e, quando retornou, dava para sentir que ela tinha um sorriso na fala, sabe? A Lola havia conseguido ajuda para acelerar a solicitação e liberar na hora o cartão virtual. Fiquei muito feliz porque essa atitude simples salvou o meu final de semana. Um mês depois, recebi mais uma surpresa do Nubank: um kit de porta-pipoca e porta-refrigerante enviado com uma carta desejando o melhor para a minha família.

Mas mais do que o “presente” inesperado, o que me surpreendeu foi a consideração da Lola. Ela poderia seguir o “protocolo padrão” para o meu problema e dizer “infelizmente, não”. Mas ela realmente quis tentar achar uma forma de me dizer “sim” – e isso foi espetacular.

Aquele dia, desliguei o telefone e pedi frango a parmegiana – com batata frita – e meu filho e eu comemos dando risada. Pode parecer fútil para algumas pessoas, mas não para mim. Não tenho muito tempo livre para ficar com ele e, quando estamos juntos, tudo o que quero é aproveitar cada segundo.

Educar uma criança é realmente difícil, mas a melhor parte é essa: quando seu filho olha para você e diz: “papai, te amo” – mesmo que ele seja pequeno demais para entender a dimensão disso”.

O sonho de ser pai

Conheça o Cássio, de 27 anos, do Rio Grande do Sul, e cliente Nubank há 4 anos.

“Nunca tive dúvidas de que queria ser pai. Ter filhos sempre foi um sonho meu e do meu marido nesses sete anos em que estamos juntos. Há alguns meses, a gente decidiu que era hora de transformar esse sonho em realidade…

Entre todas as possibilidades que a gente tinha, inclusive a de tentar filhos biológicos, escolhemos a adoção. Muita gente talvez enxergue adoção como caridade, mas a gente não vê dessa forma…. Temos o desejo de ser pais e já existem muitas crianças com o desejo de ter uma família. Nosso processo ainda está em gestação: fizemos o nosso cadastro no sistema há quase seis meses e estamos no aguardo – por isso, a gente não sabe exatamente quando nosso filho irá chegar.

Como a gente também não especificou muita coisa no nosso pedido, não sabemos se teremos um bebê, ou uma criança já mais velha; se vamos precisar comprar um berço, muitas fraldas, ou uma caminha e uma bicicleta. Não podemos mobiliar um quarto, pensar em escolas, ou planejar todos os gastos. De um dia para o outro, quando nosso filho chegar, vamos precisar nos adaptar – e a NuConta tem nos ajudado muito nesse sentido.

Por ser fácil de gerenciar pelo celular, a NuConta é um jeito muito prático de guardar para despesas futuras. Afinal, o dinheiro parado lá já tem uma rentabilidade boa todo dia. Além disso, eu gosto muito do atendimento que a empresa oferece. Há alguns meses, entrei em contato com o Nubank porque não conseguia receber depósito por boleto. Expliquei que estava guardando dinheiro para o meu filho e, além de resolver o meu problema, o atendente me surpreendeu com um gesto de gentileza: mandou de presente para casa um livro de histórias e uma carta muito emocionante.

O processo de adoção é incerto e cheio de ansiedades – é bom contar com serviços que facilitam a sua vida nesse momento. Quero estar preparado para a chegada do meu filho. A gente não sabe quando ele vai chegar. A única certeza que temos é a de que ele vai receber muito amor. Ele vai crescer em um lar sabendo que existe amor – e que é o amor que rege todas as relações. Foi isso o que a gente aprendeu com as nossas famílias, e é isso o que a gente vai passar para ele”.

*Nossos clientes concordaram em compartilhar suas histórias com a gente mas, para preservar a privacidade deles, não publicamos sobrenomes.

Tags

Comentários

  • Denis Fontanesi

    Nubank realmente está revolucionando a maneira de administrarmos nosso dinheiro… vou tentar abrir a Nuconta para meu filho de 4 anos, para preparar um futuro melhor para ele! Ótimo atendimento e sempre muito fácil, sem enrolação com os clientes.

    13 de dezembro, 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *