Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Perdeu o emprego, está ...

Perdeu o emprego, está sem renda e não tem reserva de emergência? Veja o que fazer

Com a pandemia do novo coronavírus, muita gente se encontra em uma situação financeira delicada. Saiba como ajustar o orçamento e lidar com o dinheiro durante a pandemia.

Seguindo a determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS), parte da população brasileira está em isolamento social há mais de um mês, muitos negócios tiveram que fechar as portas e a atividade econômica está reduzida. Nesse período, muita gente perdeu o emprego, ficou sem sua fonte de renda ou teve seu salário diminuído.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) , divulgada no fim de março de 2020 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o mercado de trabalho já apresentava sinais de deterioração antes do avanço do vírus no país. Porém, com a pandemia, a taxa de desemprego deve chegar aos 16% nos próximos meses.

Como organizar as finanças se você está com renda reduzida ou zerada?

A crise gerada pelo novo coronavírus tem afetado aqueles que trabalham sem carteira assinada e que não possuem uma reserva de emergência – além de trabalhadores formais que foram demitidos ou tiveram redução de salário.

Nova MP trabalhista: entenda a medida que permite corte de salário e estabilidade no emprego

Entenda a MP 927 e como ela muda as relações trabalhistas

Se você se encontra em uma situação financeira delicada, não se desespere. Veja abaixo algumas dicas que podem te ajudar a lidar com o dinheiro nesse momento.

1. Reúna a família e mapeie as despesas

Inclua contas atrasadas, gastos no cartão de crédito e as contas fixas da casa – as que devem ser pagas todo mês. Registre os valores, vencimentos e juros de cada uma (em caso de atraso).

2. Avalie a possibilidade de adiar alguns pagamentos

Por serem considerados serviços essenciais, fornecimento de água, luz e gás, por exemplo, não podem ser interrompidos. Verifique se há chances de pagar daqui uns meses – mas lembre-se que os juros e multas continuam existindo.

3. Pesquise as opções de auxílio

O auxílio emergencial de R$600 por mês (durante 3 meses) é voltado aos trabalhadores que não têm carteira assinada, especialmente aqueles que atuam na informalidade. Veja mais detalhes aqui.

Também é possível sacar o FGTS – um novo saque de R$ 1.045 foi liberado.

4. Dê entrada no seguro-desemprego

Para receber o benefício repassado pela Caixa Econômica Federal, é preciso se encaixar em algumas regras. Se esse for o seu caso, a quantia recebida pode te ajudar a passar por esse período difícil. Vale lembrar que aqueles que recebem seguro-desemprego não têm direito ao auxílio emergencial.

Seguro-desemprego: como solicitar o benefício online

“Fui demitido. E agora?” Veja o que fazer

5. Negocie as dívidas 

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva, 58% dos brasileiros –  o que representa 91 milhões de pessoas – deixaram de pagar alguma conta referente ao consumo de março. Entre em contato com as instituições para as quais você deve e proponha um acordo que caiba no seu bolso no momento atual.

Veja aqui dicas para negociar dívidas.

6. Use sua reserva de emergência

De acordo com a Associação das Empresas do Mercado Financeiro (Anbima), apenas 10% dos brasileiros conseguiram guardar algum dinheiro ao longo de 2019. Se você faz parte dessa porcentagem, talvez seja a hora de utilizar a sua reserva de emergência – ou parte dela, para cobrir gastos urgentes, como alimentação, saúde e aluguel.

7. Utilize Vale Alimentação e Vale Refeição

Se você tinha direito e ainda não gastou todo o valor depositado pelo seu antigo emprego, ou se alguém que mora com você tem um desses cartões, saiba que vários supermercados aceitam essa forma de pagamento. Inclusive, muitos deles permitem que os pedidos sejam feitos online.

Vale refeição: como usar em apps e delivery

Se você tem dívida com o Nubank, vale saber que estamos oferecendo prazos flexíveis e juros reduzidos para pagamento da fatura. Sabemos que esse é um momento difícil e queremos ajudar. Entre em contato com a gente para chegarmos, juntos, na melhor solução para você.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.63

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post