Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Economia: o que países e...

Economia: o que países estão fazendo para mitigar os efeitos do Coronavírus

De auxílio a famílias e pequenos empresários a investimentos na área da saúde, o que têm sido feito para manter a economia estável durante a pandemia do Covid-19.



Mais de 170 países já foram afetados pela pandemia do novo Coronavírus, o Covid-19. Ao redor do mundo, são cerca de 770 mil casos confirmados, segundo a OMS. O isolamento social e a quarentena, já decretada em muitas regiões, são importantes para conter o avanço da doença – mas têm causado impactos na economia.

Neste cenário, diversos países têm anunciado medidas para tentar frear a crise, manter a economia estável e ajudar suas populações das mais diversas maneiras. Abaixo, você confere diferentes medidas adotadas pelo mundo para conter os efeitos do Covid-19 na economia.

Itália e Coronavírus – medidas adotadas

Depois da China, que foi o primeiro país duramente afetado pela pandemia do Covid-19 e entrou em quarentena obrigatória, a Itália é o país com o maior número de casos – até o dia 30 de março, eram mais de 100 mil pessoas contagiadas e mais de 11 mil mortes.

O país inteiro entrou em quarentena obrigatória e, por isso, foram anunciadas diversas medidas com o intuito de controlar a situação no país, tanto em relação à saúde quanto à economia:

1,15 bilhão de euros para o sistema de saúde italiano. Assim como o Brasil, a Itália conta com um sistema de saúde gratuito e universal, que receberá uma injeção de 1,15 bilhões de euros para ampliar suas capacidades e infraestrutura.

Auxílio para autônomos e empresas. O governo italiano prometeu pagar até 500 euros para cada profissional autônomo, apoio do governo para empresas que reduziram o salário de seus funcionários, além de um pagamento “bônus” para os italianos que continuam trabalhando durante a quarentena.

Garantias de empréstimos para negócios. Ainda não se sabem detalhes sobre esse projeto, mas, entre o pacote de medidas do governo, espera-se também a garantia de empréstimos para negócios atingidos pela crise. 

Apoio financeiro a famílias e certas profissões. Famílias que têm crianças em casa, motoristas de táxi e trabalhadores do correio postal, que continuam trabalhando em “serviços urgentes” durante a quarentena italiana, receberão apoio financeiro do governo.

Espanha

A Espanha é o país europeu que fica atrás somente da Itália quando se fala sobre o quão foi afetado pela pandemia do novo Coronavírus. Até o dia 30 de março, eram 85 mil casos registrados no país, segundo a OMS.

O primeiro ministro do país anunciou, em decorrência da situação, o que chamou de “a maior mobilização de recursos na história democrática” do país. Algumas das medidas são:

100 bilhões de euros em empréstimos garantidos para empresas, especialmente as de pequeno e médio tamanho.

600 milhões de euros para auxiliar pessoas em situação mais vulnerável. Cidadãos que dependem de serviços sociais e pessoas em situação vulnerável contarão com auxílios do governo, ainda sem regras ou informações específicas de como funcionará.

Moratória nas contas de utilidades e hipoteca. As famílias cuja renda foi afetada pela crise contarão com uma moratória – isso é, uma “pausa” nos pagamentos – das contas de luz, água e outras utilidades, além da hipoteca ou financiamento de suas moradias.

Estados Unidos

No momento, os Estados Unidos são o epicentro da pandemia do Covid-19 – em outras palavras, o país com o maior número de casos, especialmente no Estado de Nova York. São mais de 150 mil casos e 36 mil mortos em todo o país até o dia 30 de março. 

Se tratando de valores, o governo norte-americano é o que anunciou o maior pacote de medidas, de cerca de US$ 2 trilhões. Ele inclui:

Auxílio para famílias. O governo americano pagará US$ 1.200 por adulto e US$ 500 por criança como auxílio à crise econômica para pessoas que recebem até US$ 75 mil de renda anual e casais que recebem até US$ 150 mil ao ano. 

Empréstimos a pequenos negócios. Mais de US$ 360 bilhões serão garantidos em empréstimos para pequenos negócios que viram suas receitas caírem drasticamente com a crise. A diferença desta medida é que, se ao longo dos próximos seis meses os negócios conseguirem reter a maioria de seus funcionários, sem demiti-los, não precisarão devolver o dinheiro emprestado.

Empréstimos para grandes e médias empresas. Outros US$ 400 bilhões serão destinados para ajudar empresas de maior porte durante a crise com empréstimos ou empréstimos com garantias.

Reino Unido

O Reino Unido também anunciou medidas para ajudar a economia durante a pandemia. A principal delas é voltada para os profissionais autônomos: o governo vai cobrir até 80% dos ganhos desses trabalhadores, com o limite de 2.500 libras por mês, até o mês de junho; ela vale somente para quem possui renda anual de até 50 mil libras, que corresponde a 95% dos autônomos do país.

Mas é importante dizer: esses trabalhadores terão que provar que tiveram lucros reduzidos devido à pandemia do Covid-19 para poderem receber o auxílio. 

E o Brasil?

O Ministério da Economia e o Banco Central anunciaram diversas medidas para movimentar a economia, mantê-la ativa e ajudar trabalhadores e empresários durante esse momento.

No geral, essas medidas injetam R$ 150 bilhões na economia brasileira. Entre as principais estão:

R$ 40 bilhões em empréstimos do governo para ajudar PMEs a financiar salários. Essa medida consiste em uma linha de crédito emergencial, no valor total de R$ 40 bilhões, destinada para pequenas e médias empresas – isto é, com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$10 milhões. Ela é dedicada exclusivamente para o financiamento de folhas de pagamento e o valor será repassado direto aos empregados – não vai para o caixa das empresas. Aqui você entende melhor as regras e como ela funciona. 

Auxílio para autônomos e informais. Trabalhadores informais e MEI poderão contar com o auxílio de R$ 600 por mês – limitado a R$ 1.200 por mês. O projeto já foi votado no Senado e agora passa pela sanção da presidência. Aqui, mais detalhes sobre o projeto e suas especificações.

Antecipação do 13o de aposentados. As duas parcelas do décimo terceiro salário de aposentados e pensionistas do INSS foram antecipadas pelo governo.

Mudanças no crédito consignado. O teto de juros para empréstimos consignados a aposentados e pensionistas do INSS agora é menor – de 2,08% ao mês, ele caiu para 1,8% ao mês; além disso, o prazo máximo para quitação do empréstimo passou de 72 para 84 meses. 

Postergar pagamento de financiamento por dois meses. O Banco Central permitiu que bancos brasileiros deem até 60 dias para os consumidores quitarem ou começarem a pagar suas dívidas de empréstimos. Isso vale tanto para pessoas físicas quanto microempresas.

Quer saber mais sobre o Covid-19?

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post