Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças Como fica o décimo terce...

Como fica o décimo terceiro salário em 2020?

Quem teve suspensão de contrato ou redução proporcional de jornada e de salário por conta da pandemia pode ter que refazer os cálculos do benefício. Entenda como vai funcionar.



Quando panettones chegam nas prateleiras dos supermercados significa que o final do ano está próximo. E com ele vem o alívio do trabalhador CLT: o décimo terceiro salário. Mas, com tudo o que aconteceu em 2020, como fica essa bonificação? O que acontece com quem teve suspensão de contrato ou redução proporcional de jornada e salário? Confira as respostas abaixo.

Está vendo pelo celular? Que tal experimentar este formato de stories?

Resumindo, o que é o décimo terceiro e quem tem direito?

Criado em 1962 por meio da Lei 4.090/62, o décimo terceiro salário – também chamado de Gratificação de Natal – é, basicamente, um salário a mais que trabalhadores com carteira assinada recebem no fim do ano.

O valor do benefício é proporcional ao tempo trabalhado. Uma pessoa que trabalhou metade do ano na mesma empresa, por exemplo, receberá apenas metade do valor total. Já quem ficou o ano todo, recebe a gratificação integral.

E quem tem direito ao 13º salário?

De forma geral, tem direito ao 13º salário qualquer trabalhador com carteira assinada – seja urbano, doméstico ou rural com contrato de trabalho em regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Mas nem todo mundo que se enquadra nessa regra vai receber o benefício. Para ter direito a ele, é obrigatório ter trabalhado pelo menos 15 dias com carteira assinada na mesma empresa.

E existe alguma exceção?

Sim! São elas:

  • Funcionários demitidos por justa causa perdem o direito de receber o benefício;
  • Empregados que tenham mais de 15 faltas não justificadas ao longo de um mês de trabalho perdem o direito à parcela do 13º salário referente àquele período.

E como fica o décimo terceiro em 2020?

Depende de cada caso. Medidas como a suspensão de contrato de trabalhadores e redução proporcional de jornada e de salário, introduzidas pela MP 936 (convertida na Lei 14.020), deixaram o cálculo do décimo terceiro em 2020 mais complexo. 

De acordo com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a lei que institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda não alterou a forma de cálculo do décimo terceiro.

Mas, para auxiliar os empregadores na hora de calcular o valor do benefício, o governo divulgou uma nota técnica no dia 17 de novembro com algumas recomendações.

Décimo terceiro para quem teve o contrato de trabalho suspenso

Os trabalhadores que tiveram o contrato suspenso pela MP 936 devem se preparar para uma redução no valor do décimo terceiro e ficar atentos aos cálculos.

Segundo a nota técnica da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, o período em que o funcionário ficou com o contrato suspenso não será considerado para o cálculo do décimo terceiro – com exceção dos meses com pelo menos 15 dias trabalhados.

Como a lei do 13º estabelece que quem trabalhou pelo menos 15 dias de um mês já tem direito ao benefício referente àquele período, cada caso precisa ser analisado a partir de alguns fatores – como o período de suspensão do contrato e o número de dias trabalhados em cada mês.

Quem ficar com o contrato suspenso pelo período máximo permitido, de 240 dias, não necessariamente perde direito ao décimo terceiro referente aos oito meses.

Se o contrato ficou suspenso entre 16 de abril e a primeira quinzena de outubro, por exemplo, o trabalhador ainda terá direito ao valor referente aos dois meses – já que terá trabalhado ao menos 15 dias em cada.

Ou seja: ele só perderá o direito ao benefício dos cinco meses em que ele não trabalhou o período mínimo de 15 dias – maio, junho, julho, agosto e setembro.

Por outro lado, se o trabalhador ficou sete meses cheios com o contrato suspenso, de abril a outubro, ele perderá o direito de receber o décimo terceiro referente a este período.

E o que acontece com quem já recebeu a primeira parcela do décimo terceiro no começo do ano?

Quem teve o contrato de trabalho suspenso e já recebeu a primeira parcela do 13º no começo do ano precisa redobrar a atenção. Todos os descontos, incluindo o do período de suspensão do contrato, virão na segunda parcela – o que poderá diminuir drasticamente o valor.

Como são muitas regras que variam de acordo com cada caso, o indicado é verificar com a empregadora qual o valor do décimo terceiro a que você terá direito. Dessa forma, já é possível se planejar e não ser pego de surpresa. 

Décimo terceiro para quem teve redução de jornada 

Já para os trabalhadores que tiveram uma redução proporcional de jornada e de salário, a recomendação da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho é usar, como base de cálculo do décimo terceiro, a remuneração integral de dezembro – o valor que o funcionário receberia se não estivesse com o salário reduzido.

Isso vale, inclusive, para os trabalhadores que estiverem com redução de jornada e de salário ainda em dezembro.

Ou seja, o cálculo do 13º deve acontecer da forma tradicional: sem considerar as reduções de salário e contabilizando os meses com pelo menos 15 dias trabalhados.

Por exemplo: se um funcionário trabalhou o ano todo na mesma empresa e seu salário integral é R$ 2 mil, é este valor que será usado no cálculo do décimo terceiro.

Mas vale perguntar para o empregador como serão feitos esses cálculos para você já se preparar. 

Décimo terceiro para quem não teve alteração no contrato

Para os trabalhadores que continuaram trabalhando nos mesmos moldes antes e durante a pandemia, o cálculo do décimo terceiro segue como sempre foi:

  • Quem ficou o ano todo na empresa e recebeu a mesma remuneração de janeiro a dezembro vai receber o equivalente a um salário bruto;
  • Já quem ficou menos tempo, mas ainda assim recebendo o mesmo valor, basta dividir um salário bruto por 12 (doze avos da remuneração) e multiplicar pelo número de meses com pelo menos 15 dias trabalhados;
  • Quem recebeu um aumento durante o ano vai ter como base de cálculo do décimo terceiro o valor do salário mais novo.

Veja como calcular a primeira e a segunda parcela do décimo terceiro

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.41

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post