Complete abaixo para pedir sua NuConta e seu cartão de crédito

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças Controle financeiro pess...

Controle financeiro pessoal: 10 coisas para evitar

Não saber sua renda, não controlar os gastos, não ter um objetivo, deixar o dinheiro parado… Aprenda o que está atrapalhando suas finanças pessoais e como mudar isso.

Controle financeiro pessoal ainda é um assunto tão pouco falado que, muitas vezes, a gente nem sabe o que está atrapalhando nossas finanças. São as despesas? Não ter investimentos? A falta de objetivos?

Abaixo, veja 10 coisas que atrapalham o organização de qualquer pessoa e o que fazer para mudar.

Lembre-se: mesmo que não consiga seguir todos os pontos no controle financeiro pessoal, o o importante é dar o primeiro passo.

1. Não saber sua renda

Uma das coisas que mais atrapalha o controle financeiro pessoal é não saber exatamente qual é a sua renda mensal. É o salário bruto, o salário líquido, todos os ganhos mensais?

Pode parecer óbvio, mas não é. Afinal, muita gente se confunde com isso e acaba gastando mais do que recebe.

Basicamente, salário bruto é o que está na carteira de trabalho. Já o salário líquido é o valor depois de todos os descontos, como imposto de renda, INSS, plano de saúde, plano odontológico, previdência privada, vale refeição e alimentação e vale transporte. 

Para organizar as finanças pessoais, a melhor estratégia é ter o salário líquido como referência de renda mensal. Caso você faça algum serviço extra ou freela em determinado momento, considere isso um ganho adicional.

Entenda tudo sobre salário bruto e salário líquido

2. Não controlar as despesas de casa (fixas e variáveis)

Todo mundo conhece aquela sensação de receber o salário e logo sair pagando as contas de casa, como aluguel, condomínio, água, energia elétrica e gás. Esse é um movimento tão automático que muita gente esquece de fazer o controle dessas despesas.

E por que isso é importante para o controle financeiro pessoal?

Por dois motivos:

  • Primeiro porque são contas altas que comem boa parte da renda mensal. Segundo, porque é preciso ter esse valor em mente na hora de organizar as finanças, comprar bens mais caros, fazer planos de médio ou longo prazo. Afinal, você não poderá contar com esse dinheiro para isso.
  • Além disso, quando você coloca essas despesas no papel, fica mais fácil entender quanto elas estão consumindo do seu dinheiro e se isso realmente faz sentido para a vida que você quer.

3. Não ter um objetivo para o seu dinheiro

Pode parecer muito filosófico – e é um pouco mesmo –, mas entender o que o dinheiro significa para você é essencial para lidar com ele de um jeito diferente.

Afinal, a gente cresce lidando com dinheiro e não para para pensar por que estamos trabalhando dia e noite para receber um salário no fim do mês. É para sobreviver? Para ter uma vida mais confortável? Para oferecer o melhor aos filhos? Para viajar? Para ter experiências diferentes?

Quando a gente pensa nisso e estabelece um objetivo para o nosso dinheiro, fica muito mais fácil lidar com ele. Controlar as finanças deixa de ser uma obrigação e passa a ser uma forma de atingir nossos planos.

4. Viver no limite

Outra coisa que atrapalha o controle financeiro pessoal é viver no limite das finanças. Em outras palavras, terminar os meses com pouco ou nenhum dinheiro na conta.

Essa é uma situação comum no Brasil. Segundo uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CDNL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 75% dos brasileiros não conseguem guardar nenhum dinheiro.

Isso significa que, num mês atípico ou numa emergência, é fácil passar do limite financeiro e ficar com dívidas. Por isso, ter pelo menos uma reserva é importante para esses imprevistos.

5. Perder o controle do cartão de crédito

Olhar para a fatura do cartão de crédito e ficar assustado com o valor é um mau sinal….

Perder a noção dos gastos é um erro bem comum no controle financeiro pessoal. Ainda de acordo com a pesquisa do CDNL e do SPC Brasil, 25% dos brasileiros que utilizaram cartão de crédito em 2018 estavam inadimplentes.

Isso não significa que você tem que deixar de usar o cartão, mas fazer isso com sabedoria para não perder o controle.

Veja 5 sinais de que seu cartão de crédito precisa de atenção

6. Não acompanhar seus gastos

Um gasto extra, uma compra parcelada, um imprevisto…. Quando se vê, todo o dinheiro foi embora e você nem sabe para onde.

Por isso, acompanhar seus gastos regularmente é essencial para ter um melhor controle financeiro pessoal. Tenha o hábito de listar todas as despesas e separá-las por categoria, como restaurante, supermercado, lazer e compras. Crie uma planilha de controle de gastos.

Dessa forma, você conseguirá visualizar para onde está indo seu dinheiro e priorizar aquilo que te traz mais alegria.

7. Não ter metas de gasto

Um dos maiores erros do controle financeiro é não saber até quanto você pode gastar com determinada categoria de despesas. Por isso, é importante colocar metas e organizar as finanças para se manter dentro do planejado.

Uma forma de fazer isso é usar a regra 50-15-35, que faz uma divisão da renda mensal em três categorias diferentes: gastos essenciais, prioridades financeiras e estilo de vida.

Entenda mais sobre a regra 50-15-35 e veja se ele funciona para você

Assim, você conseguirá organizar melhor o orçamento e, se necessário, fazer ajustes ao longo do mês. Os gastos essenciais aumentaram? Não tem problema, é só tirar um pouco do estilo de vida, por exemplo.

8. Deixar seu dinheiro parado

Esqueça o dinheiro embaixo do colchão. Hoje em dia, deixar o dinheiro numa conta corrente tradicional também significa deixá-lo parado – ou, para sermos justos, desvalorizando.

Isso acontece por causa da inflação, que faz com que R$100 termine o ano valendo menos do que no começo.

Se você conseguiu economizar algum dinheiro ou está fazendo isso todos os meses, faça essa quantia render ao longo do tempo – seja investindo em Renda Fixa, Renda Variável ou até mesmo colocando o dinheiro na NuConta, a Conta digital do Nubank, que rende mais do que a poupança

Aprenda como começar a investir seu dinheiro

9. Deixar as dívidas para depois

Para quem está com dívidas e quer ter mais controle das finanças, a pior coisa é deixar para quitá-las depois. Afinal, quanto mais o tempo passa, mais os juros acumulam, mais as dívidas crescem e menos controle se tem sobre elas.

Se este é seu caso, tenha como prioridade quitar todas as dívidas. Dessa forma, você ficará livre dessa despesa e poderá fazer outros planos para o seu dinheiro.

5 passos que vão te ajudar a quitar as dívidas

10. Se pressionar demais

Se tem uma coisa que a gente acredita é que organizar as finanças não pode ser um peso. É algo muito importante? Sim, mas fazer disso mais um motivo para se cobrar, se pressionar e se comparar com outras pessoas não é sustentável.

Por isso, busque ter mais controle financeiro pessoal, mas não se culpe caso algo saia do planejado. Tenha seus objetivos, suas metas e se comprometa com isso, mas não se sinta mal se um imprevisto aparecer e mudar tudo. Acontece, todos já estivemos nessa posição. O importante é você saber como organizar suas finanças e dar um passo de cada vez.

Se você quer nossa companhia nessa jornada, cadastre-se em nossa newsletter e receba conteúdos de educação financeira direto em seu email.