Pular navegação

Como montar um e-commerce? Confira dicas para criar o seu próprio site de vendas

Ter um e-commerce pode aumentar as vendas do seu negócio e facilitar a experiência de compra do cliente.

Foto de uma mulher segurando um celular e com um notebook em frente, em cima de uma mesa. O ambiente é uma bicicletaria. Tem uma mulher loira ao fundo.

Ter um e-commerce pode ser muito vantajoso para quem empreende, já que 55% dos consumidores preferem comprar pela internet em vez de lojas físicas, segundo pesquisa da YouGov

Além de reduzir os custos que você normalmente teria ao gerenciar um espaço físico, com uma loja online é possível impulsionar vendas, ampliar o alcance geográfico e oferecer mais praticidade aos clientes, que podem comprar a qualquer hora, de qualquer lugar. 

Abaixo, saiba o que considerar na hora de montar um e-commerce e como oferecer a melhor experiência antes, durante e depois da compra.

6 dicas para montar o seu e-commerce: saiba o que considerar no seu planejamento

1. Conheça as plataformas de e-commerce

Existe atualmente uma infinidade de ferramentas e plataformas de e-commerce que oferecem modelos prontos e facilitam o processo de criação. Assim, você não precisa começar do zero.

Por isso, a primeira coisa a se fazer é estudar e conhecer as opções disponíveis. Algumas delas, inclusive, disponibilizam planos gratuitos para quem está iniciando nessa jornada. Avalie as funcionalidades, custos e escalabilidade das plataformas e escolha a que mais combina com o seu tipo de negócio. 

Outro lado positivo de usar uma plataforma de e-commerce é que muitas delas já resolvem as questões de logística e envio do pedido por você, ou permitem que você integre serviços de frete, por exemplo.

Como aumentar a conversão de vendas no e-commerce?

2. Invista no design e cadastro dos produtos

Seu site é a sua vitrine virtual. Quem entra na sua página precisa reconhecer sua marca nela e encontrar todas as informações necessárias para decidir sobre a compra e o produto. 

Se você tem uma loja de roupas, por exemplo, faça boas fotos dos produtos e garanta que os tons das peças sejam os mais fiéis possíveis à realidade. Você pode fazer fotos de diferentes ângulos para mostrar o acabamento delas. 

Crie também uma descrição completa dos produtos, com tabela de medidas, composição, tamanhos, cores e mais.

O mesmo vale para  serviços. Se você quer vender um curso, explique qual é a carga horária, o que as pessoas irão aprender em cada módulo, quais são os materiais necessários para participar e qualquer outra informação que ajude seu cliente a fazer a melhor escolha. 

Quanto mais descritivo for o seu site, menos tempo você perde respondendo dúvidas sobre o produto ou serviço no atendimento e nas redes sociais. Isso também pode te ajudar a aparecer nas ferramentas de busca.

Nesta etapa, lembre-se também da experiência do usuário. 71% dos consumidores fazem compras pelo smartphone, segundo pesquisa da Octadesk e Opinion Box. Por isso,  dedique sua atenção ao design e navegação da página – que deve ser rápida, intuitiva e agradável tanto na versão para computador quanto na versão para celular. Seu site precisa funcionar bem tanto pelo computador quanto pelo celular. Se a página demora demais para carregar ou se existem muitas etapas até que o cliente conclua a compra, ele pode desistir e talvez você perca a venda.

3. Planeje a logística do e-commerce

Frete alto e preços elevados são os dois motivos que mais levam os clientes a desistir de uma compra, segundo pesquisa do Opinion Box e Octadesk. Então, é importante buscar um bom custo-benefício para você e para o cliente. 

Você pode trabalhar com os Correios, com uma transportadora ou integrar um gateway (portal, em português) de frete dentro do seu site. Essa ferramenta é interessante pois permite que você organize mais de uma opção de entrega na sua loja virtual, já com os custos de cada uma, dando autonomia para que o cliente faça essa escolha.

Basta que o consumidor informe o número do CEP no carrinho de compras para que o gateway apresente as melhores opções, com o valor do frete e tempo de entrega de cada uma.

Outra opção é usar um software de ERP (Enterprise Resource Planning, ou Sistema Integrado de Gestão Empresarial, em português) para gerir sua loja online. O ERP é um sistema de gestão que integra vários processos de logística do negócio em um único lugar, organizando as entregas, o controle de estoque, o fluxo de venda, acompanhamento de pagamento e uma série de outros recursos.

4. Defina os canais de atendimento ao cliente

O seu site deve ter um lugar com os canais de atendimento disponíveis para os clientes, caso eles precisem de ajuda ou tenham dúvidas. Você pode disponibilizar o WhatsApp, e-mail, chatbot no próprio site ou algum outro meio que funcione para você. Só garanta que ele fique visível na página e que o tempo de resposta seja o menor possível.

5. Ofereça mais de um meio de pagamento

Ofereça mais de um meio de pagamento no seu e-commerce e garanta que ele é seguro. 

Na hora de escolher a plataforma para seu e-commerce, leve em consideração o nível de proteção que ela oferece para sua loja e seus clientes. Avalie a autoridade da empresa que oferece o meio de pagamento e os feedbacks de quem já usou a plataforma.

Se sua empresa e seu cliente usam Nubank, por exemplo, um jeito rápido e seguro de fazer um pagamento é com o NuPay. Ao escolher essa opção, a transação é finalizada dentro do ambiente seguro do aplicativo do Nubank, e seus clientes podem usar um limite de crédito adicional e parcelar a compra em até 24 vezes. 

Para os lojistas, essa opção otimiza tempo e reduz custos, já que o NuPay é livre de taxas bancárias, de bandeiras ou de operações extras, além da diminuição de problemas com estorno ou contestação de compras. E, se preferir, você pode optar por criar um link de pagamento e enviar para o cliente, que poderá escolher a melhor maneira de pagar: à vista, no crédito, parcelado ou no Pix.

6. Acompanhe os dados da página

Sem dados é mais difícil medir o sucesso do seu e-commerce. É possível usar ferramentas de análise de dados, como o Orange Data Mining e o Software da Geofusion para saber, em tempo real, quantas pessoas estão na sua página, quanto tempo elas permanecem na página, quais são os produtos mais vendidos, de onde são os seus clientes, a frequência de compra e muito mais. 

Os dados podem te dar ideias valiosas para que você planeje campanhas de venda com focos específicos, de acordo com os clientes que você quer atingir ou com os produtos que quer dar mais destaque.

As informações de navegação também te ajudam a identificar possíveis problemas e corrigir a tempo, sem prejudicar suas vendas: se você percebe que o usuário navega até certa página, mas não conclui a compra, pode ser um sinal para ajustar essa etapa da experiência. 

É muito importante que você aprenda a coletar e analisar essas informações para que elas reflitam em melhorias no seu site e no seu negócio. 

Leia também:

Aplicativos de vendas valem a pena para seu negócio? Veja o que considerar na decisão

Omnichannel: saiba o que é e como usar a estratégia

Google Meu Negócio: como usar essa ferramenta para vender mais

Este texto faz parte da missão do Nubank de lutar contra a complexidade do sistema financeiro para empoderar as pessoas – físicas e jurídicas. Com a conta PJ, queremos ajudar donos de pequenos negócios, empreendedores e autônomos a focarem no que realmente importa. Saiba mais.

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossaPolítica de Privacidade.Ao continuar a navegar, você concorda com essa Política.