Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início O Nubank “Gostaria que R...

“Gostaria que ‘assertividade’ fosse uma palavra igualmente boa para homens e mulheres”

Ceci faz parte do time de agilistas do Nubank. Para ela, é importante ver as diferenças entre homens e mulheres no ambiente corporativo serem extintas.

No Nubank, a gente acredita em construir times fortes e diversos – porque só assim é possível desenvolver produtos que facilitem a vida de todo tipo de brasileiro. Neste link, você encontra as histórias de mulheres que fazem o nosso negócio acontecer. Afinal, elas estão aqui, todos os dias, criando coisas incríveis e reinventando o futuro.

Conheça, a seguir, Ceci Fernandes, do time de agilistas.

Ceci Fernandes, Líder dos Agilistas

“Estou no Nubank há quase um ano como Tech Manager do time de chargeback – como chamamos o processo de estorno e cancelamento de compras aqui no Nubank. Desde que entrei, trabalhamos em um grande projeto que tivemos na engenharia – e me orgulho muito do resultado. Hoje, trabalho como líder do time de agilistas aqui do Nubank.

Agilistas ajudam organizações, desde times até chapters ou a empresa como um todo, a pensarem mais sistemicamente sobre como trabalham e desenvolverem mecanismos de melhoria contínua. Por exemplo, é comum atuarmos em melhorar visibilidade e organização do trabalho, no mapeamento de papéis e responsabilidades, em acordos que vão tornar o trabalho em time mais sustentável, etc.

Mas é importante dizer que, no meu papel, a parte mais importante não é o entregável: é a parte de gerir engenheiros, trazer mais clareza para a equipe, entender o que fazemos e onde queremos chegar… É disso que mais me orgulho. 

Quando entrei, eu era a única engenheira da equipe. Contratamos mais uma depois. Felizmente, eu sempre tive a sorte de não passar por situações desconfortáveis por ser mulher: trabalhei por quase 10 anos no primeiro trabalho e fui a única mulher do time de desenvolvedores por 5 anos, mas nunca me senti acuada. 

Em outra empresa em que trabalhei como consultora de TI, existia também uma grande preocupação com a diversidade. Mais da metade do time era formado por mulheres, algo que vemos em poucos lugares – e foi lá onde comecei a perceber algumas questões sobre as mulheres no meu mercado de trabalho.

Por estar acostumada a ambientes masculinos, eu não percebia certas coisas. Como, por exemplo, era sempre uma mulher quem escrevia e tomava nota em reuniões, pois diziam que nossa letra era mais bonita.

Existe um longo caminho de mudanças que começa com mais mulheres em cursos técnicos nas faculdades – mas existem ações concretas que já podem melhorar o dia a dia das mulheres no mercado.  

Um exemplo diz respeito à palavra assertividade: eu sou uma pessoa muito direta, e gostaria que “assertivo” fosse uma palavra igualmente boa para homens e mulheres – hoje, não é. Para homens, é um elogio – e para mulheres, uma crítica, como se elas se deixassem levar pelo emocional. Esse tipo de diferença eu gostaria de ver extinta.”

Veja aqui mais histórias de mulheres como Ceci.

2.75

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post