Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Auxílio emergencial é pr...

Auxílio emergencial é prorrogado por mais dois meses: entenda o que muda

Governo pagará mais duas parcelas de R$ 600, mas em quatro pagamentos ao longo de dois meses.



O governo brasileiro prorrogou o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 por mais dois meses no dia 30 de junho. Serão duas parcelas de R$ 600, totalizando R$ 1.200.

A informação está no decreto 10.412, publicado na edição do dia 1º do Diário Oficial da União (DOU).

A forma como as duas novas parcelas do auxílio emergencial serão pagas, entretanto, é diferente – a proposta do governo é de que sejam feitos quatro pagamentos referentes aos R$ 1.200, dois para cada parcela:

  • R$ 500 no início do mês;
  • R$ 100 no final do mês;
  • R$ 300 no início do mês;
  • R$ 300 no final do mês.

Cada parcela de R$ 600 deve ser dividida, portanto, em dois pagamentos mensais, com valores diferentes em cada mês. As três primeiras parcelas do auxílio emergencial foram feitas em um único pagamento de R$ 600.

A Caixa Econômica Federal ainda vai divulgar o calendário de pagamentos dessas duas parcelas; a estimativa é de que elas sejam pagas nos meses de julho e agosto. 

Quem tem direito ao auxílio emergencial?

O auxílio emergencial é voltado aos trabalhadores que não têm carteira assinada, especialmente aqueles que atuam na informalidade. 

A principal “regra” para solicitar o auxílio é não ter um emprego formal – isto é, registrado em carteira de trabalho. Ele será pago a trabalhadores informais, desempregados e aqueles que são MEI (Micro Empreendedor Individual). 

Trabalhadores por conta própria que contribuem para o INSS de forma individual ou facultativa (opcional, em outras palavras) e trabalhadores intermitentes (que prestam serviços por hora, dia ou meses para mais de um empregador) também poderão requisitar o benefício, se se encaixarem nos requisitos.

Os requisitos abaixo devem ser cumpridos por todos que pedirem o auxílio emergencial de R$ 600:

  • ter mais de 18 anos de idade (exceto mães adolescentes, que podem receber mesmo sendo menores de idade);
  • ter renda mensal de até três salários mínimos (R$ 3.135) por família;
  • ter renda mensal de até meio salário mínimo (R$ 522,50) per capita – isto é, por pessoa da família;
  • não ter recebido mais de R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis ao longo de 2018;
  • não receber benefício previdenciário ou assistencial, exceto o Bolsa Família – aposentadoria, o benefício de prestação continuada, e seguro-desemprego, por exemplo.

O auxílio emergencial é limitado a duas pessoas da família; ou seja: por núcleo familiar, o auxílio será limitado a R$ 1.200. Existe uma exceção: mulheres que sejam mães e chefes de família poderão receber, individualmente, dois benefícios. 

Lembrando que o prazo para fazer a solicitação do auxílio emergencial termina no dia 2 de julho. 

Ainda tem dúvidas sobre o auxílio emergencial de R$ 600? Aqui você tira todas elas.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post