Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças O aluguel vai subir? Ent...

O aluguel vai subir? Entenda por que o IGP-M está pressionando os contratos

O índice aumentou quase 18% nos últimos 12 meses - e isso pode se refletir nos contratos de aluguel. Veja o que é possível fazer.



Ao falar de inflação, um dos termos mais conhecidos é o IPCA, que mede a variação dos preços de alimentos e produtos no comércio. Mas existem outros índices que afetam muito o dia a dia. O IGP-M é um deles – e o seu aumento vem causando preocupação.

Sigla para Índice Geral de Preços-Mercado, o IGP-M mede a inflação de uma série de produtos e serviços em todos os estágios de produção e é usado no reajuste de contratos de aluguel de imóveis e de algumas tarifas públicas, como conta de luz.

Ou seja: quando o IGP-M indicador está em alta, a tendência é que os contratos de aluguel subam – exatamente o que está acontecendo agora.

Em setembro de 2020, o IGP-M aumentou 4,34%, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Nos últimos 12 meses, a alta acumulada é de 17,94%.

Em termos práticos: se você tem um contrato de aluguel prestes a fazer aniversário, ele pode sofrer um reajuste de quase 18% de uma vez só. Se esse aluguel for de R$2 mil, por exemplo, poderá chegar a R$2.235,88.

Por que o IGP-M subiu tanto?

Em setembro de 2019, o IGP-M acumulava uma alta de 3,37% em 12 meses – ou seja, o salto de um ano para cá foi drástico. Acontece que esse índice é formado por três componentes e todos eles registraram aceleração em 2020.

Os índices do IGP-M

São três os indicadores que compõem o IGP-M, cada um com um peso diferente no cálculo – 60%, 30% e 10%, respectivamente. São eles:

  • IPA-M (Índice de Preços por Atacado-Mercado): preços de produtos industriais e agrícolas no setor de atacado;
  • IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor-Mercado): preços de bens e serviços que compõem as despesas comuns de famílias;
  • INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção-Mercado): valor dos custos de construções de imóveis.

O IPA-M, que representa o maior “pedaço” do IGP-M, subiu 5,92% em setembro, puxado pela alta de grandes commodities – a soja, por exemplo, subiu 14,32% e o arroz em casca, 38,93%, um reflexo da alta do dólar e do aumento de demanda interna durante a pandemia.

Entenda por que o arroz e outros alimentos básicos subiram tanto

Do lado do IPC-M, o principal aumento foi no subgrupo de recreação, que subiu 4,77%, com a volta à procura de passagens aéreas, segundo a FGV. No INCC, o destaque foi para o encarecimento de materiais e equipamentos.

Ou seja: o IGP-M vem subindo devido a vários fatores, mas o principal peso vem das consequências do novo coronavírus.

A pandemia fez os preços das commodities dispararem nos mercados globais, com mais demanda de outros países. A alta do dólar, em paralelo, torna a exportação mais vantajosa para os produtores brasileiros, diminuindo a oferta dentro do Brasil e aumentando os preços.

OK, e como fica o aluguel?

Como padrão, os contratos de aluguel são reajustados de acordo com o IGP-M. No entanto, essa alta do índice acontece em meio a uma crise de emprego e retração na economia brasileira – são mais de 13 milhões de desempregados no país, segundo o IBGE.

Levando isso em consideração, existe contexto para negociação. O IGP-M está muito acima do IPCA (que registrou 2,44% nos últimos 12 meses), o que mostra que a alta do “índice do aluguel” tem mais a ver com fatores externos do que internos.

O melhor caminho para quem está com o contrato do imóvel prestes a fazer aniversário é entrar em contato com o proprietário ou imobiliária para fazer uma proposta de reajuste mais suave – ao se munir de informações, fica mais fácil ter argumentos consistentes.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.18

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post